Opinião

Paulo Afonso - 28/03/2010

O HNAS que queremos

Almeida Júnior

O Hospital Nair Alves de Souza foi construído há 61 anos pela CHESF, com o objetivo de assistir aos trabalhadores da construção das usinas hidrelétricas do complexo de Paulo Afonso. Durante este tempo a unidade hospitalar foi e tem sido a referência em saúde pública para os cidadãos e cidadãs dos municípios que integram esta região, tanto do lado baiano como dos lados pernambucano, sergipano e alagoano.
Recentemente a CHESF, mantenedora do HNAS, e o Governo do estado da Bahia aprofundaram conversações no sentido de estadualizar aquela unidade hospitalar, onde por meio de um convênio, o hospital passará a ser gerido pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). A estadualização prevê a mudança do modelo de gestão e tem como objetivo adequar a estrutura física atual da unidade ao perfil dos serviços de assistência à saúde mais procurados pela população da microrregião de Paulo Afonso.  Com a gestão do Estado, o hospital passará a ofertar ações de média e alta complexidade. As unidades de terapia intensiva (UTIs) neonatal, pediátrica e adulto receberão, cada uma, 10 novos leitos. Serão também oferecidos ao público os atendimentos de urgência e emergência, clínica médica e cirúrgica, traumato-ortopedia, obstetrícia e psiquiatria. A unidade irá receber ainda sete novos leitos para o projeto Mãe Canguru, novos refeitório e lavanderia.
Com estes novos serviços espera-se evitar o vai e vem de ambulâncias com pacientes usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) para os grandes centros, principalmente Aracaju, Recife e Salvador.
A estadualização prevê um investimento inicial de R$ 7,2 milhões, sendo que a CHESF assumirá a realização das obras, orçadas em R$2,5 milhões, enquanto a Sesab ficará responsável pelo projeto arquitetônico e aquisição de equipamentos, com um investimento de pouco mais de R$ 4,7 milhões.  Em todas as rodas de conversas sobre o HNAS fica explicita a preocupação da sociedade pauloafonsina sobre os destinos da saúde publica da nossa região e, principalmente, com a "saída" da CHESF da gestão do HNAS. O que sou terminantemente contra. A CHESF que foi a responsável por tudo que hoje temos de bom e de ruim neste trecho do rio São Francisco, não pode se omitir de ser corresponsável pelos destinos do nosso povo e da nossa gente. Assumir parte do custeio e dos investimentos do HNAS é o mínimo que a CHESF pode fazer para diminuir a sua dívida social com esta região.
Não sou contra a estadualização do HNAS. Até porque, com os investimentos previstos e que serão concretizados com a estadualização, grande será a melhoria na saúde pública da nossa cidade e da nossa região. Entretanto, entendo que o modelo de gestão a ser adotado no HNAS seja o da gestão compartilhada entre o estado e a CHESF, cada um com suas responsabilidades. Este modelo já é o adotado por outras empresas do sistema Eletrobrás, a exemplo de Furnas, onde as empresas de geração de energia elétrica assumem parte significativa dos investimentos e do custeio das unidades de saúde. Caberá a sociedade civil o importante papel de fiscalização da aplicação dos recursos, bem como o acompanhamento da qualidade dos serviços prestados.

  

 Desenvolvimento com Justiça Social


Busca



Enquete

Você pretende viajar nas festas de final de ano?






Votar Resultado
Adiquirindo resultado parcial. Por favor aguarde...


Todos os direitos reservados