Política

Paulo Afonso - Bahia - 20/10/2019

Artigo do leitor: “Ex-prefeito de Abaré é vítima de perseguição”

Khatarina Carvalho/Leitora
Foto: reprodução

Em Abaré, no norte da Bahia, a leitora Katharina Carvalho lamenta o decreto de prisão temporária do ex-prefeito Delísio Oliveira. Segundo ela, Delísio é vítima de uma “perseguição pessoal” por parte do promotor Leonardo Bittencourt, tendo como pano de fundo um assassinato do qual o ex-prefeito seria supostamente o mandante.

Confiram:

O ex-prefeito Delísio Oliveira da Silva teve prisão temporária decretada no dia 03 de outubro do ano em curso, após solicitação formulada pelo Ministério Público, promotor Leonardo Bittencourt, por uma suposta prática do delito que vitimou Glauciano Sátira da Silva, vulgo “Silas”, fato ocorrido em 09 de dezembro de 2008.

Na mesma ocasião foi determinada busca e apreensão veicular e domiciliar em três propriedades do ex-prefeito, onde não foi encontrado qualquer documento ou objeto que tivesse qualquer relação com o crime.

Por esse motivo, tudo leva a crer que o que motivou a solicitação de prisão temporária não foi o crime em si, pois se assim o fosse, isso não estaria acontecendo agora, depois de quase 11 anos. É no mínimo estranho.

Leva-se a crer que o fato da perseguição pessoal contra o ex-prefeito Delísio Oliveira pelo membro do MP, Sr. Leonardo Bittencourt, foi uma representação que o ex-prefeito fez junto ao chefe do MPBA (Ministério Público da Bahia) contra o mesmo.

E este argumento é tão notório que se demonstra através dos depoimentos das testemunhas que foram buscadas nos últimos meses pela promotoria. As mesmas foram ouvidas recentemente não em juízo, mas na cidade de Paulo Afonso. E mais: às escondidas, como deixa claro terem sido depoimentos combinados. Inclusive nenhum deles atribuiu a autoria do crime ao ex-prefeito.

Veja um trecho do depoente Arnaldo do Fórum: “Eu fui depor porque eu fui obrigado. Tem coisa aí… tem coisa aí que você não fala…é o promotor que bota”.

Os outros depoentes ouvidos recentemente são adversários políticos ferrenhos do ex-prefeito. Fica claro que os depoimentos e testemunhas atuais são frágeis, infundadas e ilusórias. Basta comparar com os depoimentos dados anos atrás em juízo pelo padrasto e pela companheira da vítima.

“Eu não acuso a pessoa de Delísio como mandante do crime”, disse Sr. Francisco Ferreira, padrasto da vítima.

“Não acredito que Delísio tenha mandado matar Silas”, disse a companheira da vítima.

Delísio Oliveira é um homem de bem, político honrado, com mais de trinta anos de vida pública. É conhecido por sua personalidade forte, por ser um homem de palavra e de muito trabalho.

A população abareense está consternada e assustada com o fato, que uniu membros da política que atualmente estão à frente da prefeitura de Abaré e Ministério Público, para a todo custo denegrir a imagem de um dos maiores líderes políticos da região.

Até que ponto as pessoas podem chegar por poder, dinheiro, vingança…

Acusar um inocente de um crime é algo sério e certamente essa “novela” ainda terá muitos capítulos. Os advogados envolvidos na defesa do ex-prefeito estão confiantes, e acreditam que a qualquer momento o habeas corpus seja concedido.


Busca



Enquete

Povo decidirá sobre municípios com menos de 5 mil pessoas, diz Bolsonaro. VC é a favor ou contra ?




Votar Resultado
Adiquirindo resultado parcial. Por favor aguarde...


Todos os direitos reservados