Política

Paulo Afonso - 04/03/2018

Vereadores da situação e oposição reagem a cobrança de 80% da Taxa de Esgoto

Luiz Brito DRT/BA 3.913
Foto: Reprodução
Líder da Minoria no parlamento Vereador Pedro Macário Neto (PP)
Líder da Minoria no parlamento Vereador Pedro Macário Neto (PP)

Esta semana assistimos a um vídeo doméstico,  onde o líder da minoria na Câmara, Pedro Macário Neto (PP), protesta veementemente sob a cobrança de 80% da tarifa de esgoto em Paulo Afonso. A cidade não tem área urbana totalmente coberta pelo esgotamento sanitário, mas todos pagam a tarifa cobrada indevidamente pela EMBASA. Questionado sobre o tema, o vereador respondeu:

“No município de Paulo Afonso, de fato existem alguns bairros que são atendidos parcialmente por redes coletoras de esgoto e suas respectivas ETE´s (Estações de tratamento de esgoto sanitário), estes sistemas correspondem a menos de 35% de toda a zona urbana do município.

Ocorre que todos esses sistemas já implantados e em funcionamento, foram construídos pela Chesf ou parte deles  pela Prefeitura de Paulo Afonso, com recursos da União e do próprio município, nunca com recursos da Embasa, tampouco do Governo do Estado da Bahia. Dito isto, cabe esclarecer, já que a Embasa nenhum recurso financeiro investiu em obras de esgotamento sanitário para a existência desses sistemas em Paulo Afonso, isso em frontal descumprimento ao contrato firmado vencida há quase dois anos entre Embasa e Prefeitura de Paulo Afonso, e mais, não existindo Lei Municipal que tenha instituído a chamada Tarifa de Esgoto em PA, conclui-se diante disso que a cobrança realizada pela EMBASA num percentual de 80% sobre o valor do consumo de água a título de Tarifa de Esgoto em Paulo Afonso É ILEGAL!

É evidente que a competência legal para legislar sobre a política tarifária de tais serviços é das Câmaras Municipais de Vereadores de cada município. Quem deve definir os valores das tarifas para os serviços de água e esgoto em Paulo Afonso é a Câmara Municipal de Vereadores de Paulo Afonso, em apreciação a projeto de Lei que deverá ter por autoria o Poder Executivo municipal, para que não haja vício de autoria da matéria em pauta.

"O incrível é que a empresa Embasa “cobra ilegalmente” dos pauloafonsinos uma dita tarifa de esgoto num percentual altíssimo de 80%."

A população aguarda a sessão da Câmara que vai discutir o projeto que renova a cessão do serviço de abastecimento de água para a Embasa e por gravidade a taxa de esgotamento sanitário. Esta semana  alguns veredores inclusive da base governista, disseram publicamente que votarão contra: Zé Carlos do BTN, Pedro Mário Neto, Jean Roubert , Zezinho do INSS e Leda Chaves.


Últimas

1 até 20 de 4779   Próximo »   Último »
Busca



Enquete

Você acha que a guarda municipal deve ter poder de polícia?



Votar Resultado
Adiquirindo resultado parcial. Por favor aguarde...


Todos os direitos reservados